PORQUE ORAR ?


Porque orar?

"Para orar efetivamente, nosso corpo e mente devem habitar pacificamente no momento presente. Quando você tem plena atenção (mindfulness), então você tem concentração. Esta é a condição que te levará a prajña, a palavra sânscrita para insight e sabedoria transcendente. Sem isso, nossa oração é apenas superstição."

Às vezes, a oração é bem-sucedida e, por vezes, não é. Talvez tenhamos de fazer mais perguntas. A questão que se pode fazer é: Por que a oração é bem sucedida em alguns momentos e não em outros?

Nós sabemos que quando queremos usar nosso telefone, ele precisa ter um fio e tem de haver electricidade neste o fio. A oração funciona da mesma maneira. Se a nossa oração não tem a energia da fé, compaixão e amor, é como tentar usar um telefone quando não há energia elétrica no fio. O simples fato de que nós oramos não conduz a um resultado.

Existe uma maneira de rezar que garanta resultados satisfatórios? Se alguém tivesse tal método, as pessoas ficariam felizes em comprá-lo a um preço elevado, mas até agora ninguém encontrou um.

Nós não sabemos por que a oração é eficaz em alguns momentos e não outros, mas tirando esta questão, outra surge: Se Deus ou qualquer outro poder fora de nós mesmos em que acreditamos já determinou que as coisas deveriam ser de certa forma, então qual é a razão de rezar? Algumas pessoas de fé diriam que, se Deus quer alguma coisa, então a vontade de Deus já está sendo feita.  Qual é o ponto de rezar se tudo já está pré-determinado? Se uma pessoa em uma determinada idade sofre de câncer, por que que devemos orar para a saúde dessa pessoa? Rezar não seria um desperdício de tempo?

Para os budistas, esta mesma questão se coloca em relação ao karma. Se alguém realizou ações prejudiciais no passado, e, em seguida, algum tempo depois, fica doente, alguns diriam que este é apenas um exemplo do karma funcionando; como pode a nossa oração mudar alguma coisa? Se o nosso karma é tal, então como pode o resultado do nosso karma ser mudado? O que chamamos de "vontade de Deus" no cristianismo é equivalente ao que chamamos de "retribuição do karma" no budismo.

Portanto, se um ser espiritual fez as coisas do jeito que são, por que orar? Nós poderíamos responder com outra pergunta: Por que não orar? No budismo, aprendemos que tudo é impermanente, o que significa que tudo pode mudar. Hoje estamos em boa saúde e amanhã estamos com problemas de saúde. Hoje estamos doentes e amanhã a nossa saúde pode voltar. Tudo vai de acordo com a lei de causa e efeito. Portanto, se temos uma nova energia, uma nova visão, uma nova fé, somos capazes de abrir uma nova etapa na vida do nosso corpo e da nossa mente.

Quando nos sentamos para a prática de unificação do nosso corpo e nossa mente, e trazemos a nossa energia de amor para a nossa avó, para uma irmã mais velha, ou um irmão mais novo, então nós estamos produzindo uma nova energia. Essa energia imediatamente abre o nosso coração. Quando temos o néctar da compaixão e estabelecemos a comunicação entre a pessoa que está orando e aquele para quem a oração está sendo dirigida, então, a distância entre Plum Village e Hanói não tem qualquer significado. Esta ligação não pode ser estimada ou descrita em palavras; tempo e espaço não podem apresentar quaisquer obstáculos.

Nós e Deus não somos duas existências separadas; portanto, a vontade de Deus é também a nossa própria vontade. Se queremos mudar, então Deus não irá nos impedir de mudar. O poeta Nguyen Du colocou desta maneira:

Quando necessário, os céus não vão ficar no caminho dos seres humanos.
Os resultados das ações passadas podem ser levantados,
Causas e condições futuras podem ser criadas.

A verdadeira questão é: queremos mudar ou não? Queremos continuar a manter a atração do sofrimento e deixar nossas mentes passearem em sonhos? Se em seu coração você quer mudar, então qualquer que seja o ser espiritual em que você acredita, ele também ficará feliz em você mudar.

Famílias funcionam da mesma maneira; nenhuma pessoa é completamente separada. Se o filho ou a filha mudam, então o pai e a mãe também vão mudar. Se a energia surge do filho ou da filha e os efeitos da mudança surgem neles em primeiro lugar, em seguida, isto também irá produzir uma mudança no coração do pai e da mãe algum tempo depois. As famílias não são feitas de entidades completamente separadas.

Mesmo que Deus tenha predisposto que as coisas para que sejam de certa forma, ainda podemos mudar porque, como diz a Bíblia, "somos filhos de Deus" (I João 3: 2). Qual é a relação entre o criador e a criatura? Um deles tem a capacidade de criar e o outro é o que é criado. Se eles estão ligados um ao outro, então podemos falar deles como sujeito e objeto. Se eles não estivessem conectados um ao outro, como podemos chamá-los de sujeito e objeto?

O sujeito que cria é Deus; o objeto criado é o universo em que vivemos. Entre o sujeito e o objeto, há uma estreita relação, assim como há uma estreita relação entre esquerda e direita, noite e dia, a satisfação e a fome; assim como, de acordo com a lei da reflexão, aquele que percebe e o que é percebido têm uma ligação muito próxima. Quando o ângulo de incidência muda, do ângulo de reflexão mudará imediatamente. O que chamamos a vontade de Deus está ligada à nossa própria vontade. É por isso que a retribuição de nossas ações passadas pode ser alterada.

Sangha Virtual
 Estudos Budistas
Tradição do Ven. Thich Nhat Hanh

(Do livro de Thich Nhat Hanh - "The energy of prayer” - Tradução Leonardo Dobbin)
Comente esse texto em http://sangavirtual.blogspot.com

Caso queira obter esse texto em formato Word clique aqui